domingo, julho 8

diário


quando era novo (mais novo) tive um diário onde escrevia sobre aquilo que pensava e sentia; era uma forma de exorcizar sentimentos e pensamentos;
mais tarde, quando comecei a trabalhar, optei por cadernos de apontamentos; os primeiros eram grandes, andavam na pasta que gostava de passear; serviam para registar os pequenos acontecimentos, reuniões, afazeres, etc;
rapidamente evoluiram para aquilo que sempre designaram como livro de merceeiro, um pequeno bloco de apontamentos, capa dura, a emitar o livro de actas ou do merceeiro de antigamente;
logo no início de 2000 descobri os Moleskines e nunca mais os abandonei;
gosto de registar pequenos apontamentos, pequenas ideias, entre sentimentos e ideias soltas há de quase tudo, uns mais introspectivos, outros mais sentimentalóides, outros apenas pequenas referências para mais tarde me situar, face aos dias e aos acontecimentos, como face a mim mesmo;
há precisamente 4 anos atrás, neste mesmo dia, 8 de Julho, liguei-me à blogosfera;
terá sido, eventualmente, uma extensão de mim mesmo, da minha escrita, dos meus pensamentos;
agora cresço não apenas em mim, mas com os outros, nos outros; deixei uma escrita isolada e estritamente individual, para partilhar ideias e descobrir outras formas de nos pensarmos;
descobri amigos, fiz amizades, criaram-se cumplicidades, umas na blogosfera (o Miguel, a Sofia) outras que vão para além disso mesmo (o António, o DD, o Joanete Esquerdo, o Mário e a Patrícia, alguns anónimos), que sei que por aqui passam, ideias diferentes, ideias divergentes mas que, entre todos e com todos há pequenos sentimentos comuns, partilhados, feitos de cumplicidades e de algumas amizades;
é uma auto-satisfação, reconheço, chegar a este dia e comemorá-lo como se de aniversário próprio se tratasse, mas é, acima de tudo, o reconhecimento que por aqui continuo e me sinto, como é o agradecimento àqueles que, como costumo dizer, têm pachorra de me ler;
a escrita cresceu como eu e comigo; muita das vezes desconheço se a minha escrita sou eu ou se sou apenas a minha escrita; sei é que não consigo passar sem este espaço, nem esta forma de me pensar, mesmo quando não penso em nada...
é um diário, de ideias seleccionadas, de pensamentos partilhados, de opiniões divididas, mas é um diário...

3 comentários:

Miguel Pinto disse...

E venham mais quatro...

Sofia disse...

Eu comecei a minha antiga casa no dia 9 de Julho de 2003, um dia depois de ti.
Veremos se aguento mais quatro anos na nova casa. :)

Patrícia disse...

Parabéns pela persistência!
A propósito, tenho de ver quando criei o meu!!